sexta-feira, 27 de junho de 2014

Cabines blindadas e vigilantes 24h em bancos

Já em vigor, medida tenta conter onda de explosões a caixas eletrônicos.
Instituições financeiras têm 120 dias para se adequarem à legislação.
Uma lei municipal sancionada no início desta semana em Ribeirão Preto (SP) obriga as instituições financeiras a instalar cabines blindadas e a manter vigilantes 24 horas nos espaços onde ficam os caixas eletrônicos. A medida tem como objetivos dar mais segurança aos usuários e conter a onda de explosões a equipamentos nas agências bancárias da cidade. Segundo levantamento da reportagem, 12 ocorrências deste tipo foram registradas em 2014 em Ribeirão.
Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou a lei em está em análise pelo departamento jurídico.
De acordo com o advogado do Sindicato dos Vigilantes e dos Trabalhadores em Segurança, Eduardo Augusto de Oliveira, as cabines, onde os vigilantes ficarão, deverão ser totalmente fechadas, à prova de balas, com um visor de vidro e com no mínimo 2,10 metros de alturaEssa proposta é uma tentativa de acabar com o problema das explosões”, afirma.
Para Oliveira, a presença de seguranças permanentes nos estabelecimentos vai contribuir ainda mais para que as instituições tenham mais segurança. “Eles podem inibir a ação dos criminosos, qualquer movimentação suspeita, ou qualquer desconfiança, os vigilantes avisam a PM. O especialista em segurança, José Manuel Ferreira, acredita que as medidas vão ajudar a coibir explosões a caixas eletrônicos em Ribeirão Preto, mas, segundo ele, é preciso fazer testes para saber como isso vai ser feito na prática. “Tudo que envolve segurança pública e seres humanos tem que ser testado primeiro. Tem que ver se a blindagem da cabine vai estar de acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Não são só ataques com armas, mas também com explosivos, dinamites. A segurança tem que ser boa”, explica.

A instituição que descumprir a lei poderá ser multada em 100 UFESPs (Unidade Fiscal do Estado de São Paulo), o equivalente a R$ 2 mil, sendo que o valor pode ser o dobro em caso de reincidência.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Convenção Coletivas dos Vigilantes do Ceará - 2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000102/2014
DATA DE REGISTRO NO MTE:         29/01/2014
NÚMERO DA SOLICITAÇÃO:           MR004577/2014
NÚMERO DO PROCESSO:                 46205.001412/2014-75
DATA DO PROTOCOLO:                    29/01/2014

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

SIND.DOS PROF.VIG.E EMPREG.EM EMP.E SER.DE SEG.,VIG.TRANSP.VAL.,C. DE FORM. DE
VIG.,SEG.PESSOAL, CEN.,S.E AFINS CE, CNPJ n. 07.327.000/0001-40, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). GERALDO DA SILVA CUNHA;

E

SINDESP-SINDICATO DAS EMPRESAS DE SEGURANCA PRIVADA DO ESTADO DO CEARA, CNPJ n.
23.498.033/0001-09, neste ato representado(a) por seu Vice-Presidente, Sr(a). CESAR MARQUES DE CARVALHO;

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE

As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 01º de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2015 e a data-base da categoria em 01º de janeiro.

 CLÁUSULA SEGUNDA - ABRANGÊNCIA

A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a(s) categoria(s) Profissional dos Empregados de Empresas de Segurança e Vigilância, do Plano CNTC, com abrangência territorial em CE.

Salários, Reajustes e Pagamento

Piso Salarial


CLÁUSULA TERCEIRA - DO PISO SALARIAL


 A partir de 1º de janeiro de 2014, o piso salarial da categoria representada pelo Sindicato dos Vigilantes do Estado do Ceará, ora convenente, será pago pelas empresas nos seguintes valores:
a) R$ 949,17(novecentos e quarenta e nove reais e dezessete centavos) para todos os vigilantes;

b) R$ 1.204,70 (um mil duzentos e quatro reais e setenta centavos) para os vigilantes que exercem a
função de fiel e de vigilantes que exercem a função de motorista de carro – forte;

c) R$ 1.143,98 (um mil cento e quarenta e três reais e noventa e oito centavos) para os vigilantes que exercem a função de vigilante-escolteiro e de supervisor de operações;

d) R$ 1.360,03 (um mil trezentos e sessenta reais e três centavos) para os vigilantes que trabalham no Banco Central do Brasil;

e) R$ 1.277,75 (um mil duzentos e setenta e sete reais e setenta e cinco centavos) para os vigilantes de escolta armada;

f) R$ 1.423,76 (um mil quatrocentos e vinte e três reais e setenta e seis centavos) para os vigilantes de segurança pessoal.

PARÁGRAFO PRIMEIRO. As empresas que contratarem vigilantes para a realização de eventos
extraordinários (grandes eventos), nos termos da Lei nº 6.019/74 e/ou do art. 443, §§ 1º e 2º da CLT, estarão obrigadas a respeitar o piso de R$ 15,91 (quinze reais e noventa e um centavos) por hora de trabalho.

PARÁGRAFO SEGUNDO. Sendo o trabalho referido no parágrafo anterior realizado em domingos e feriados, já estão computados nesse valor as horas extras, o adicional noturno, o trabalho no feriado e o repouso remunerado.

PARÁGRAFO TERCEIRO. A partir de 1º de janeiro de 2015 os pisos salariais vigentes em 31 de
dezembro de 2014 serão reajustados mediante a aplicação do INPC do período de janeiro de 2014 a dezembro de 2014, acrescido de 01 (um) ponto percentual.

PARÁGRAFO QUARTO. Os pisos da presente cláusula não receberão a incidência do reajuste salarial da cláusula quarta, porque quando da apuração e cálculo de ditos pisos tal reajuste já foi considerado ou levado em conta.

PARÁGRAFO QUINTO. As diferenças salariais relativas ao mês de janeiro de 2014 serão pagas no mês de fevereiro de 2014.


Reajustes/Correções Salariais


CLÁUSULA QUARTA - DO REAJUSTE SALARIAL

quinta-feira, 15 de maio de 2014

GREVE DOS VIGILANTES DO RIO É LEGAL ...

A Desembargadora do Trabalho Angela Fiorencio, considerou a greve dos Vigilantes do Rio de Janeiro legal.

Os vigilantes estão em greve desde o dia 24 de abril por conta do impasse que se estende por mais de 20 dias nas negociações entre o Sindicato patronal e o dos trabalhadores

No entanto, como se trata de uma atividade essencial, deve-se manter 40% do efetivo de vigilantes em serviço, garantindo no mínimo 1 (um) vigilante por agência bancária.

O SINDVIGRIO orienta a todos os vigilantes que imprima a liminar para que seja uma ferramenta contra as ameaças aos vigilantes de supervisores e diretores de empresas

Com apenas 3 reuniões, sendo a última na SRTE, o Sindicato patronal se recusou a continuar as conversações oferecendo apenas 7% de reajuste salarial e R$ 13 reais de tíquete com 20% de desconto, rejeitada por unanimidade em assembléia. O SINDESP, representado pelo Presidente Frederico Crim, sócio da Empresa Hércules Vigilância e Segurança, desde então se recusa a atender aos telefonemas do Sindicato e nem responde os e-mails

A única saída para os trabalhadores foi cruzar os braços parando bancos, shoppings, aeroportos, Maracanã, edifícios e condomínios. “A única entidade que está, neste momento, prejudicando a população em geral chama-se SINDESP, o Sindicato das empresas. O Sindicato dos trabalhadores vem periodicamente tentando fazer contato com o patronal para que se chegue a um denominador comum, contudo ele se recusa a atender às reivindicações, diz Antonio Carlos, vice-presidente do SINDVIGRIO”.

Na avaliação do comando grevista, os empresários mesmo tendo conhecimento pela imprensa, que estão prejudicando a população, ainda assim se recusa a reiniciar as negociações da campanha salarial 2014/2015.

GREVE NÃO FOI CONSIDERADA ILEGAL

Ao contrário do que os empresários dizem por aí de que a greve dos vigilantes é ilegal, a Desembargadora do Trabalho Ângela Florêncio, em sua liminar no processo nº 0010413-35.2014.5.01.0000 considerou a greve dos Vigilantes do Rio de Janeiro legal.


PROPOSTA NÃO FOI ATENDIDA


Os vigilantes querem 10%de reajuste salarial, aumento do tíquete-refeição para R$ 20, pagamento do adicional de risco de vida subtraído do contracheque em dezembro desde que o adicional de periculosidade foi regulamentado pelo Ministério do Trabalho. “Queremos o pagamento dos dois adicionais e não de um só como as empresas vêm fazendo. O risco de vida foi conquistado há quatro anos na Convenção Coletiva”, dispara o sindicalista.

Fonte: Sindicato dos Vigilantes do Município do Rio de Janeiro 

quarta-feira, 30 de abril de 2014

BANCÁRIOS DENUNCIAM QUE AGENCIAS ESTÃO FUNCIONANDO SEM SEGURANÇA DURANTE A GREVE DOS VIGILANTES FERINDO A LEI FEDERAL 7.102

irREGULARIDADE - VIGILANTES do rio de janeiro ENTRAM EM GREVE E BANCOS FUNCIONAM SEM SEGURANÇA. AS AGENCIAS QUE MAIS DESCUMPREM A LEI SÃO O BANCO ITAÚ E BRADESCO.

Muitas agências bancárias estão funcionando sem vigilantes devido à greve da categoria. Mas a abertura destas unidades sem garantir a segurança de bancários e clientes é ilegal. O Sindicato recebeu várias denúncias, especialmente na Zona Oeste da cidade.

"A própria Polícia Federal solicitou ao Sindicato para que sejam repassadas as denúncias dos bancários para que sejam feitas fiscalizações e os bancos autuados pela ilegalidade. Contamos com a participação da categoria para que possamos impedir este procedimento ilegal dos bancos", afirma o diretor do Sindicato André Spiga.

A Lei Federal 7.102/83 veda o funcionamento de qualquer estabelecimento financeiro onde haja guarda de valores ou movimentação de numerário, que não possua sistema de segurança.

"Nós apoiamos a greve dos vigilantes, mas os bancos não podem abrir agências sem segurança, conforme prevê a legislação", acrescenta Spiga.

As denúncias podem ser feitas pelos telefones 2415-0725/0159, 2103-4121/4124.


Fonte: Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro                                                               

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Nova CNV (Carteira Nacional de Vigilantes)


Carteira Nacional de Vigilante
 NOVO MODELO DA CNV - MARÇO 2014


CNV só poderá ser solicitada de forma on line nos órgãos cadastrados pela Polícia Federal


Documentos necessários para expedir ou renovar CNV:


1 - RG (Original)
2 - CPF (Original) ou CNH
3 - Comprovante de Endereço
4 - CNV vencida (em caso de renovação)


Importante:

A Carteira Nacional de Vigilante é de Uso Obrigatório pelo Vigilante, quando em efetivo serviço
CNV é expedida somente com vínculo empregatício 
O pedido de renovação poderá ser feito no prazo de até 60 dias antes da data de vencimento
____________________________________________________________________

Modelos antigos de CNV





quarta-feira, 16 de abril de 2014

Vigilantes do Rio decidem Entrar em greve a partir do dia 24.

Impasse ameaça deixar Maracanã e aeroportos sem segurança no Mundial

Uma assembléia está marcada para segunda-feira, às 7h, na Candelária, para decretar a uma possível greve
Não houve acordo na negociação salarial durante reunião entre 13 sindicatos de vigilantes do estado e a entidade das empresas de segurança (Sindesp). O encontro foi na Superintendência Regional do Trabalho. A falta de diálogo entre as partes pode levar agentes de segurança privada a cruzar os braços durante os dias que antecedem a Copa, em junho, deixando Maracanã, aeroportos do Galeão e Santos Dumont, entre outros postos, sem vigilância. Uma assembleia está marcada para segunda-feira, às 7h, na Candelária, para decretar a uma possível greve.

A categoria pede reajuste de 10%, jornada de 44 horas semanais, desconto do tíquete refeição de 20% para 5%, plano de saúde para os vigilantes e seus dependentes e aumento do tíquete refeição para R$ 20,52.
“Não podemos aceitar a contraproposta dos patrões de 7% de reajuste e R$ 13 no tíquete”, diz Antônio Oliveira, vice-presidente Sindicato dos Vigilantes do Município do Rio (Sindvigrio).

Presidente da entidade, Fernando Bandeira disse na audiência que o Rio é um dos estados com pior piso salarial. “Fica abaixo do salário dos vigilantes de Tocantins, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Distrito Federal. No ranking nacional é o 13º piso do país”, assegura. 
Bandeira argumenta que uma refeição no Centro do Rio não sai por menos de R$ 20. “Como pode o patrão pagar um tíquete refeição de R$ 13?”, indaga o sindicalista.

Protestos levam caos ao trânsito do Leblon e Barra


O segundo dia da greve dos trabalhadores da construção civil do Rio foi marcado por mais protestos, na manhã de ontem. A interdição de pista na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, e uma passeata no Leblon, na Zona Sul, complicaram a vida dos motoristas. Responsáveis por sete obras de infraestruturas e mobilidade na cidade, cerca de 27 mil operários estão de braços cruzados.

O sindicato da categoria afirma que o número representa 90% de toda a mão de obra. Os operários afirmam que hoje pela manhã haverá novos protestos. A partir das 11h, ocorrem quatro reuniões de conciliações entre patrões e empregados no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no Centro.

A paralisação deve afetar diretamente a conclusão da Transcarioca, obra fundamental para o esquema de trânsito para a Copa. Porto Maravilha, Metrô Linha 4, Transmodal, Transolímpica, reforma do Engenhão e Parque Olímpico Rio 2016 são as outras iniciativas paradas. Somado a todos esses transtornos, o Comitê Olímpico Internacional (COI) já cogita a possibilidade de tirar os Jogos Olímpicos do Rio.

PROTESTOS

No Leblon, funcionários das obras da Linha 4 do metrô percorrerem as avenidas Afrânio de Melo Franco, Bartolomeu Mitre e Rua Humberto de Campos, complicando o trânsito na região. Na Barra, pelo segundo dia consecutivo, cerca de 200 operários das obras do Parque Olímpico voltaram a interditar a Avenida Embaixador Abelardo Bueno.

Os grevistas reivindicam pagamento de 100% de horas extras (hoje é pago 70%), cesta básica de R$ 300 e 10% de reajuste. Já os patrões oferecem 9% de aumento e cesta de R$ 250 e informaram que não vão aumentar a proposta.

Mesmo com os transtornos e a possibilidade da Transcarioca não ficar pronta para a Copa, a Prefeitura do Rio informou que não iria se manifestar sobre o assunto alegando que a solução cabe as partes envolvidas.

Polícia Federal multa 14 bancos por Falhas na segurança

Agências do Rio de Janeiro também foram multadas por abrirem suas portas com apenas um vigilante durante greve
A Polícia Federal aplicou R$ 5,312 milhões em multas a 14 bancos por falhas na segurança de agências e postos de atendimento, durante a 100ª reunião da Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada. A reunião foi realizada na última quarta-feira, em Brasília.

Multas ao Banco do Brasil totalizaram R$ 1,545 milhão. O Itaú foi multado em R$ 1,188 milhão, o Santander, em R$ 745 mil, a Caixa Econômica Federal, em R$ 738 mil, e o Bradesco, em R$ 679 mil, informou a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT)

De acordo com a Contraf, eram 485 processos contra bancos, abertos pelas delegacias estaduais de segurança privada, por causa do descumprimento da Lei Federal nº 7.102/83 e de portarias da Polícia Federal. “As principais irregularidades foram equipamentos inoperantes, número insuficiente e falta de rendição de vigilantes no horário de almoço, transporte de valores feito por bancários, inauguração de agências sem plano de segurança aprovado e cerceamento da fiscalização de policiais federais, dentre outras”, diz a Contraf.

Ainda segundo a Contraf, várias agências no estado do Rio de Janeiro também foram multadas por abrirem suas portas com apenas um vigilante durante uma greve da categoria. A Lei nº 7.102/83 exige a presença de, no mínimo, dois vigilantes.

A Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada é integrada por representantes do governo e entidades dos trabalhadores e dos empresários. A Contraf-CUT é a porta-voz dos bancários e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) representa os bancos. Foi a primeira reunião da cpmissão neste ano. 

A próxima foi marcada para 7 de maio.



Fonte: O DIA

Convenção Coletiva de Trabalho dos Vigilantes do Paraná - 2014


CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR000260/2014
DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/01/2014
NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004855/2014
NÚMERO DO PROCESSO: 46212.000884/2014-11
DATA DO PROTOCOLO: 29/01/2014

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

TERMOS ADITIVO(S) VINCULADO(S)
Processo n°: e Registro n°:
FEDERACAO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS ENQUADRADAS NO TERCEIRO GRUPO COMERCIO E EMPREGADOS EM EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVICOS DO ESTADO DO PARANA , CNPJ n. 81.906.810/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOAO SOARES;

SINDICATO EMPREG EMPRESAS SEG VIGILANCIA, TRANS VALORES SEG PESSOAL ORGANICA ESC ARMADA AG TATICO E MONIT CURSO FORM ESP VIGI E SIMIL DE CURITIBA E RE, CNPJ n. 78.232.774/0001-35, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOAO SOARES;

SINDICADO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE SEGURANCA, VIGILANCIA, TRANSPORTE DE VALORES, SEGURANCA ORGANICA E ESCOLTA ARMADA DE CASCAVEL E REGIAO, CNPJ n. 78.120.904/0001-48, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE CARLOS ANTUNES FERREIRA;

SINDICATO DOS EMP DE EMP DE SEGURANCA E VIG DE P GROSSA, CNPJ n. 78.603.560/0001-28, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE NILSON RIBEIRO;

SIND DOS EMPR DE EMP DE SEGURANCA E VIGILANCIA DE MGA, CNPJ n. 78.186.335/0001-33, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE MARIA DA SILVA;

SIND. DOS EMP. EM EMP. DE SEG. VIGI. TRANS DE VLOR, SEG. ORG, ESC. ARMADA, VIG. MONIT. E SIMILARES DE UMR E REGIAO, CNPJ n. 79.868.022/0001-28, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE BARBOSA DA SILVA;

SINDICATO DOS EMP EM EMP SEG VIG TRAN DE VAL E SIM LOND, CNPJ n. 78.293.982/0001-44, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). ORLANDO LUIZ DE FREITAS;

SIND EMPREGADOS EM EMP DE SEGURANCA E VIGIL DE P BRANCO, CNPJ n. 78.072.477/0001-70, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). ALAOR DE JESUS MACHADO DOS SANTOS;

SINDICATO DOS VIGILANTES DE PARANAGUA-PARANA , CNPJ n. 12.290.975/0001-80, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). EDSON DAVID COELHO;

E

SINDICATO DAS EMPRESAS DE SEGURANCA PRIVADA DO EST PR, CNPJ n. 78.905.700/0001-12, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). SANDRO MAURICIO SMANIOTTO;
celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE

terça-feira, 15 de abril de 2014

Convenção Coletiva de Trabalho dos Vigilantes de Pernambuco - 2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014


NÚMERO DE REGISTRO NO MTE:   PE000300/2014
DATA DE REGISTRO NO MTE:            19/03/2014
NÚMERO DA SOLICITAÇÃO:              MR008955/2014
NÚMERO DO PROCESSO:                   46213.005351/2014-16
DATA DO PROTOCOLO:                       17/03/2014
               
SIN EMP EMPR SV TRAB TRANVA SV EMPR PESS C FO ESP SV PE, CNPJ n. 10.580.199/0001-28, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE INACIO CASSIANO DE SOUZA;
 E
 SIND DAS EMPRESAS DE SEGURANCA E VIGILANCIA DO EST PE, CNPJ n. 24.417.867/0001-05, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). AGOSTINHO ROCHA GOMES; celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

 CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE

 As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 01º de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2014 e a data-base da categoria em 01º de janeiro.

 CLÁUSULA SEGUNDA - ABRANGÊNCIA

 A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a(s) categoria(s) dos empregados em empresas de segurança privada, com abrangência territorial em Abreu e Lima/PE, Afogados da Ingazeira/PE, Afrânio/PE, Agrestina/PE, Água Preta/PE, Águas Belas/PE, Alagoinha/PE, Aliança/PE, Altinho/PE, Amaraji/PE, Angelim/PE, Araçoiaba/PE, Araripina/PE, Arcoverde/PE, Barra de Guabiraba/PE, Barreiros/PE, Belém de Maria/PE, Belém de São Francisco/PE, Belo Jardim/PE, Betânia/PE, Bezerros/PE, Bodocó/PE, Bom Conselho/PE, Bom Jardim/PE, Bonito/PE, Brejão/PE, Brejinho/PE, Brejo da Madre de Deus/PE, Buenos Aires/PE, Buíque/PE, Cabo de Santo Agostinho/PE, Cabrobó/PE, Cachoeirinha/PE, Caetés/PE, Calçado/PE, Calumbi/PE, Camaragibe/PE, Camocim de São Félix/PE, Camutanga/PE, Canhotinho/PE, Capoeiras/PE, Carnaíba/PE, Carnaubeira da Penha/PE, Carpina/PE, Caruaru/PE, Casinhas/PE, Catende/PE, Cedro/PE, Chã de Alegria/PE, Chã Grande/PE, Condado/PE, Correntes/PE, Cortês/PE, Cumaru/PE, Cupira/PE, Custódia/PE, Dormentes/PE, Escada/PE, Exu/PE, Feira Nova/PE, Fernando de Noronha/PE, Ferreiros/PE, Flores/PE, Floresta/PE, Frei Miguelinho/PE, GameGlória do Goitá/PE, Goiana/PE, Granito/PE, Gravatá/PE, Iati/PE, Ibimirim/PE, Ibirajuba/PE, Igarassu/PE, Iguaraci/PE, Ilha de Itamaracá/PE, Inajá/PE, Ingazeira/PE, Ipojuca/PE, Ipubi/PE, Itacuruba/PE, Itaíba/PE, Itambé/PE, Itapetim/PE, Itapissuma/PE, Itaquitinga/PE, Jaboatão dos Guararapes/PE, Jaqueira/PE, Jataúba/PE, Jatobá/PE, João Alfredo/PE, Joaquim Nabuco/PE, Jucati/PE, Jupi/PE, Jurema/PE, Lagoa do Carro/PE, Lagoa do Itaenga/PE, Lagoa do Ouro/PE, Lagoa dos Gatos/PE, Lagoa Grande/PE, Lajedo/PE, Limoeiro/PE, Macaparana/PE, Machados/PE, Manari/PE, Maraial/PE, Mirandiba/PE, Moreilândia/PE, Moreno/PE, Nazaré da Mata/PE, Olinda/PE, Orobó/PE, Orocó/PE, Ouricuri/PE, Palmares/PE, Palmeirina/PE, Panelas/PE, Paranatama/PE, Parnamirim/PE, Passira/PE, Paudalho/PE, Paulista/PE, Pedra/PE, Pesqueira/PE, Petrolândia/PE, Petrolina/PE, Poção/PE, Pombos/PE, Primavera/PE, Quipapá/PE, Quixaba/PE, Recife/PE, Riacho das Almas/PE, Ribeirão/PE, Rio Formoso/PE, Sairé/PE, Salgadinho/PE, Salgueiro/PE, Saloá/PE, Sanharó/PE, Santa Cruz da Baixa Verde/PE, Santa Cruz do Capibaribe/PE, Santa Cruz/PE, Santa Filomena/PE, Santa Maria da Boa Vista/PE, Santa Maria do Cambucá/PE, Santa Terezinha/PE, São Benedito do Sul/PE, São Bento do Una/PE, São Caitano/PE, São João/PE, São Joaquim do Monte/PE, São José da Coroa Grande/PE, São José do Belmonte/PE, São José do Egito/PE, São Lourenço da Mata/PE, São Vicente Ferrer/PE, Serra Talhada/PE, Serrita/PE, Sertânia/PE, Sirinhaém/PE, Solidão/PE, Surubim/PE, Tabira/PE, Tacaimbó/PE, Tacaratu/PE, Tamandaré/PE, Taquaritinga do Norte/PE, Terezinha/PE, Terra Nova/PE, Timbaúba/PE, Toritama/PE, Tracunhaém/PE, Trindade/PE, Triunfo/PE, Tupanatinga/PE, Tuparetama/PE, Venturosa/PE, Verdejante/PE, Vertente do Lério/PE, Vertentes/PE, Vicência/PE, Vitória de Santo Antão/PE e Xexéu/PE.

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

PISO SALARIAL

terça-feira, 1 de abril de 2014

Convenção Coletiva de Trabalho - Vigilantes Mato Grosso - 2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000054/2014
DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/02/2014
NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080085/2013
NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000291/2014-75
DATA DO PROTOCOLO: 14/02/2014
 Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

SINDESP/MT - SINDICATO DAS EMP DE SEG, VIGILANCIA, TRANSP DE VALORES, SEGUR ELETR, MONIT DE ALARMES E CURSOS DE FORM DE VIGILANTES DO ESTADO DE MT, CNPJ n. 24.772.451/0001-05, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). ANGELO ROBERTO JACOMINI;
E
 SINDICATO DOS VIGILANTES DO MEDIO ARAGUAIA, CNPJ n. 74.092.818/0001-18, neste ato representado(a) por seu Procurador, Sr(a). KLECIORNEY GONCALVES DE SOUZA;  
SIND EMP EMPRES SEGUR V T V C F VIG S E V G O T P S E M, CNPJ n. 03.238.706/0001-84, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). REGINALDO DE ARAUJO SILVA;
 SIND TRABALHADORES EM EMP VIGIL SIMILARES A F E REGIAO, CNPJ n. 33.684.143/0001-19, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE ELOI CRESTANI;  celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE

As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 01º de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2014 e a data-base da categoria em 01º de janeiro.

 CLÁUSULA SEGUNDA - ABRANGÊNCIA
 A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a(s) categoria(s) dos trabalhadores em empresas de segurança, vigilância, transporte de valores, Segurança Eletrônica, e curso de formação de vigilantes, com abrangência em todo o estado de Mato Grosso, com abrangência territorial em Alta Floresta/MT, Barra do Garças/MT e Cuiabá/MT.

Salários, Reajustes e Pagamento

Piso Salarial

 CLÁUSULA TERCEIRA - - DAS CONDIÇÕES ECONÔMICAS E DOS SALÁRIOS NORMATIVOS

DO VIGILANTE – O piso salarial mensal da categoria será majorado em 7,00%(sete por cento) e passará, a partir de 1º.02.2014, de R$ 861,35 (oitocentos e sessenta e um reais e trinta e cinco centavos centavos). Para R$ 921,64 (novecentos e vinte e um reais e sessenta e quatro centavos)