domingo, 23 de dezembro de 2012

Tabela Piso Salarial 2013 Vig SP

97 comentários:

Estou Postando esta Tabela como base para os aumentos de 2013, e com o que já temos   Garantido que é o adicional de risco de 18% (R$ 195,30), não postei com o adcional de 30% completo pois ainda temos que aguardar a regulamentação no Ministério do Trabalho  para aplicação dos 30% de adicional de periculosidade.

Assim que os acordos forem feitos atualizarei esta Tabela.


Tabela de Cargos e Salários

Validade: 01/01/2013 a 31/12/2013
Piso Salarial da Categoria R$ 1.085,01
Cargo
Gratificações de Função
Salário + Gratificações + Adicional de 18%
Vigilante

R$ 1.280,31
Vigilante Feminino

R$ 1.280,31
Vig. / Monitor de Segurança Eletrônica
5%
R$ 1.334,56
Vig. / Condutor de Animais
10%
R$ 1.388,81
Vig. / Condutor de Veículos Motorizados
10%
R$ 1.388,81
Vig. / Segurança Pessoal
10%
R$ 1.388,81
Vig. / Balanceiro
10%
R$ 1.388,81
Vig. / Brigadista
10%
R$ 1.388,81
Vig. / Líder
12%
R$ 1.410,51
Vig. / Operador de

Monitoramento Eletrônico
11,77%
R$ 1.408,02
Supervisor de Monitoramento Eletrônico
74,71%
R$ 1.895,62
Outras Funções Com Salários Reajustados

(sem direito a gratificações)
Cargo
Salário
Auxiliar de Monitoramento Eletrônico
R$ 895,22
Atendente de Sinistro
R$ 1.193,49
Instalador de Sistemas Eletrônicos
R$ 1.039,52
Empregados Administrativos
R$ 813,79
Inspetor de Segurança
R$ 1.570,13
Supervisor de Segurança
R$ 1.895,66
Coordenador Operacional de Segurança
R$ 2.274,80
Atualizada dia 21/01/2013

O reajuste da categoria foi de 5,9553%, Com base no índice do INPC do IBGE acumulado de 12 meses e é válido a partir de 1 de janeiro de 2013  até 31/12/2013.


Com o reajuste o Salário da Categoria passa de R$ 1.024,03 para R$ 1.085,01

Já o vale refeição passou de R$ 10,14 para R$ 10,74 por dia.

Cesta Básica R$ 85,59

A categoria tem garantido o adicional de risco de 18% a partir de janeiro.

Aguardamos a regulamentação da lei 12.740 pelo Ministério do Trabalho para aplicação dos 30% de adicional de periculosidade.
____________________________________________________________________

Veja também:

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Sancionado Adicional de Periculosidade para Vigilantes

25 comentários:


Presidente Dilma Rousseff sanciona adicional de periculosidade para vigilantes

A Presidente Dilma Rousseff sancionou no dia 08 de dezembro de 2012 a Lei 12740/2012 que dispõe sobre o adicional de periculosidade para os vigilantes.

A partir de agora será instituído o risco de vida, um adicional de 30% sobre o salário dos vigilantes por periculosidade, em virtude da exposição da categoria a roubos ou outras espécies de violência física. O Ato foi publicado no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (10). O texto de lei altera o art. 193 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a fim de redefinir os critérios para caracterização das atividades ou operações perigosas, e revoga a Lei nº 7.369, de 20 de setembro de 1985.

Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, porém aguarda regulamentação no Ministério do Trabalho e Emprego.

Confira a lei na íntegra aqui.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Aprovado o adicional de periculosidade de 30% para os vigilantes e empregados em transporte de valores.

14 comentários:

Foi aprovado o projeto de lei 1033/03 da ex-deputada e atual senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), aprovado pela Câmara em 2009.

A proposta altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT - Decreto-Lei 5.452/43)
e garante adicional de periculosidade de 30% sobre o salário para os vigilantes e empregados em transporte de valores, em virtude da exposição da categoria a roubos ou outras espécies de violência física.


Para que entre em vigor o adicional de 30 %  ainda  precisa ser sancionado pela presidenta Dilma Rousseff.


O que está previsto no projeto de lei



O adicional aos vigilantes vai corresponder a 30% do salário, exceto gratificações, prêmios ou participações nos lucros.



quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Assaltos e arrombamentos a bancos aumentam em todo o País

3 comentários:


Ao longo do primeiro semestre deste ano, o número de assaltos a bancos no País cresceu 25,2% em relação ao mesmo período de 2011. Os dados são da 3ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos, divulgada, nesta segunda-feira, em Curitiba.O levantamento foi elaborado pela Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf), com apoio técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).
O número de assaltos a banco passou de 301 para 377 casos. Já os arrombamentos de agências, postos de atendimento e caixas eletrônicos passaram de 537 para 884 no mesmo período, significando um crescimento de 64,6%. Somadas, ambas as modalidades de ataques a bancos chegaram a 1.261 ocorrências, uma alta de 50,5% em relação ao primeiro semestre do ano passado, quando houve 838 casos. Entre as fontes da pesquisa estão estatísticas de secretarias estaduais de Segurança Pública, notícias publicadas pela imprensa e levantamentos de sindicatos e federações de trabalhadores. No mês passado, a CNTV, a Contraf e o Dieese haviam divulgado 27 mortes em assaltos a bancos, de janeiro a junho de 2012.
Nas estatísticas de assaltos a bancos por Estado, São Paulo lidera o ranking, com 99 casos no primeiro semestre, seguido pela Bahia (37), Ceará (26), Pernambuco (18), Paraíba (17), Paraná (16) e Mato Grosso (16). Em termos percentuais, o maior crescimento ocorreu no Ceará, que passou de cinco casos no primeiro semestre de 2011 para 26 no mesmo período deste ano, revelando uma alta de 420%.
O ranking de arrombamentos também é liderado por São Paulo, com 190 casos. Na sequência, aparecem Minas Gerais (151), Santa Catarina (121), Paraná (93), Bahia (54), Rio Grande do Sul (40) e Mato Grosso (32). O maior crescimento do número de casos ocorreu em Minas Gerais, com um salto de cinco para 151 ocorrências, uma variação de 2.920% em relação ao primeiro semestre do ano passado. As entidades acreditam que os dados reais podem ser ainda maiores, em razão da dificuldade de se obter esse tipo de informação em alguns Estados. Casas lotéricas, unidades do Banco Postal dos Correios e correspondentes bancários não constam do levantamento.
"Esperamos que o anteprojeto de lei que trata do estatuto da segurança privada seja apresentado ainda este ano pelo Ministério da Justiça. A legislação atual está defasada", disse Ademir Wiederkehr, diretor da Contraf. "Queremos mais segurança para proteger a vida das pessoas. Não queremos mais a morte de clientes e trabalhadores", afirmou.
Entre as reivindicações que constam no anteprojeto estão a obrigatoriedade de porta giratória com detector de metais antes das salas de autoatendimento; instalação de vidros blindados nas fachadas das agências; colocação de câmeras de monitoramento dentro e fora dos bancos; ampliação do número de vigilantes; uso de divisórias entre os caixas e biombos antes da fila de espera; e isenção de tarifa para transferências eletrônicas de recursos entre bancos diferentes.
As entidades sindicais também defendem maior controle e fiscalização por parte do Exército no transporte, armazenamento e comércio de explosivos. Em 2011, de acordo com números apresentados pela CNTV, houve pelo menos 44 ocorrências de roubos de cargas de explosivos no País, sendo 15 delas em Minas Gerais. Esse fato explicaria, em parte, o aumento significativo de casos de arrombamento registrados no Estado. Em segundo lugar aparece o Paraná, com dez ocorrências de roubos de explosivos.
"Em cada uma dessas ocorrências são roubadas toneladas de dinamite", disse o presidente da CNTV, José Boaventura Santos. "As mineradoras deveriam ser obrigadas a ter um plano de segurança para o transporte desse material, com a contratação de vigilância", declarou.
Questionado se já havia feito algum contato com o Exército sobre o assunto, o presidente do Sindicato dos Vigilantes de Curitiba, João Soares, disse que o órgão participou recentemente de uma audiência pública sobre o tema, realizada na Assembleia Legislativa do Paraná. "O representante do Exército, nessa ocasião, informou que é praticamente impossível fiscalizar tudo. Eles fazem uma fiscalização por amostragem", disse Soares. "Precisamos de uma fiscalização mais consistente, com medidas como rastreamento dos artefatos por chips ou códigos de barras. Há locais que vendem banana de dinamite por R$ 10", completou.
Os trabalhadores reclamam ainda do baixo orçamento destinado pelos bancos para gastos com segurança. No primeiro semestre deste ano, os cinco maiores bancos aplicaram R$ 1,5 bilhão em segurança, o equivalente a 6% do lucro líquido de R$ 24,6 bilhões obtido no período.
A Federação Brasileira de Bancos (Febraban), divulgou em nota, que a segurança dos seus funcionários e clientes é preocupação central dos bancos. Informou, ainda, que os investimentos em segurança feitos pelo setor passaram de R$ 3 bilhões, em 2002, para R$ 8,3 bilhões em 2011, o que significaria um aumento de 62,4% em termos reais.
De acordo com a Federação, os assaltos diminuíram 78% entre os anos de 2000 e 2011, passando de 1.903 para 422. Ainda segundo a Febraban, os bancos seguem a Lei Federal nº 7.102/1983 e sua regulamentação. "O aprimoramento da segurança bancária levou a uma adaptação e migração dos criminosos profissionais para assaltos fora das agências bancárias", diz a nota.
fonte: Portal Terra

sábado, 28 de julho de 2012

Vigilantes da Fundação casa entram em greve e paralisam os serviços.

2 comentários:


Vigilantes da Fundação Casa de Araraquara, Taquaritinga e Mogi Mirim, paralisaram os serviços porque não estavam recebendo em dia, de acordo com a assessoria de imprensa da Fundação Casa, o repasse para empresa que atrasou o pagamento dos vigilantes sempre foi feito e a contratação de uma nova empresa terceirizada deve ser concluída ainda este ano. Ainda segundo a assessoria, os agentes de apoio sócio-educativo estão sendo convocados em caráter emergencial para fazerem a segurança do local nos dias de folga.

Os Agentes de apoio sócio-educativo deveriam cuidar apenas das atividades dos adolescentes da Fundação Casa, mas estão acumulando a função de vigilantes e seguranças, o acúmulo de função compromete a qualidade do trabalho, além do atendimento prejudicado, o acúmulo de função oferece riscos aos funcionários, pois estão fazendo uma função que não é deles e fica muito cansativo, no plantão, ficam com os adolescentes e nas folgas trabalham como seguranças, o que pode causar problemas físicos e mentais devido ao acumulo de funções.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Nova Carteira Nacional de Vigilante CNV

22 comentários:


De acordo com o Dr. Clyton Eustaquio Xavier, Delegado da Polícia Federal, Coordenador Geral do Controle da Segurança Privada e Diretor da CCASP ( Comissão Consultiva da Coordenação Geral de Controle da Segurança Privada), haverá mudanças na expedição e modelo da CNV.

Cerca de 200 mil carteiras deixaram de ser expedidas, desde Abril do ano passado devido a problemas na licitação de compra de materiais para sua confecção, esta sendo implantado um processo de informatização na forma de renovação e expedição da CNV, ou seja não será mais aceito os formulários em papel, a idéia é que todo o processo seja informatizado visando assim facilitar e agilizar a renovação e expedição do documento;

Segundo Dr.Clyton Eustaquio o modelo da nova CNV foi apresentado na CCASP, a nova CNV será confeccionada em PVC assim como os cartões bancários, dando uma melhor qualidade a carteira que terá mais itens de segurança e como todo o processo será informatizado espera-se maior rapidez na sua expedição.

domingo, 8 de julho de 2012

PPR para os vigilantes do estado de São Paulo

9 comentários:
FETRAVESP assina acordo de implementação do PPR para os vigilantes do estado de São Paulo


A FETRAVESP e os sindicatos profissionais firmaram acordo com o Sesvesp (Sindicato Patronal), estabelecendo para o período de 01/06/2012 até 31/05/2013, o Programa de Participação nos Resultados (PPR), conforme previsto na cláusula 70 da Convenção Coletiva de Trabalho 2012/2013 e mencionado na Lei 10.101/2000, mediante apuração dos critérios estabelecidos no texto.

Este novo acordo de participação nos resultados é aplicável a todas as empresas da categoria, de todas as modalidades e inclusive as de cursos de formação.

Apesar de formalmente constar os primeiros dois anos de validade, o texto é claro ao estabelecer que o acordo é valido de forma contínua, não perdendo haver sua supressão futura, apenas a revisão das cláusulas e elevação dos valores.

A partir de agora, o acordo é obrigatório para todas as empresas.


VEJA COMO IRÁ FUNCIONAR:

Ficou estabelecido que o presente acordo coletivo de PPR terá vigência a partir do ano de 2012 , e que seu período de apuração será anual, iniciando-se em 01/06/2012 e encerrando-se em 31/05/2013, fechando um ciclo de 12 meses para a apuração do valor que cada empregado terá direito, e que o respectivo pagamento será realizado pelas empresas até o último dia do mês de Julho seguinte ao término deste período de apuração, com base no piso salarial do vigilante vigente no último mês de apuração do período, conforme valor definido na clausula VII – Valor do PPR; e que o segundo período de apuração, também anual, iniciar-se-á em 01/06/2013 e encerrar-se-á em 31/05/2014.

Parágrafo primeiro – Nos anos que se seguirem à assinatura do presente termo de acordo coletivo de PPR (2012), as partes poderão se reunir visando a revisão de critérios ou valores aqui acordados, de comum acordo, mas não será admitida a supressão do benefício.

Parágrafo segundo – A empresa poderá iniciar e encerrar o período de apuração a partir do dia 20 de maio de cada ano, de acordo com o procedimento de fechamento de sua folha de pagamento.

VALOR DO  PPR:

O PPR será concedido, depois de apurados os critérios estabelecidos neste acordo, seguindo o seguinte valor, de forma não cumulativa:

25% do Piso Salarial do vigilante vigente no último mês de apuração do período de 12 meses.

Terá direito ao benefício todos os empregados, exceto aos empregados em nível de direção e gerência nas empresas, empregados temporários e estagiários, nos termos da legislação em vigor.



PENAS ESPECÍFICAS PARA O CASO DE DESCUMPRIMENTO:

As empresas que descumprirem, no todo ou em parte, os direitos com previsão nas clausulas do presente acordo, estão obrigadas ao pagamento de multa de 10% incidente sobre os montantes ou diferenças impagos, sem prejuízo de multa de 1% ao mês e correção pelo índice do INPC do IBGE, incidentes sobre tais valores, até seu efetivo pagamento, além dos eventuais acréscimos devidos em face de eventual cobrança Judicial.

ABRANGÊNCIA:

O presente acordo abrangerá as empresas e sindicatos laborais da categoria dos trabalhadores /empregados em empresas de segurança e vigilância privada, nas diversas modalidades em que tais serviços possam ser prestados/executados, bem como às empresa que promovem cursos de formação em tais áreas, em toda a territorialidade do Estado de São Paulo; nos termos da clausula 70 da Convenção Coletiva de Trabalho 2012/2013 (cláusula 17 do sistema mediador do TEM, registro n° SP000031/2012).


sexta-feira, 18 de maio de 2012

Comissão do Senado aprova novo piso para vigilante

15 comentários:


Projeto que fixa piso salarial para vigilantes é aprovado na CAE

Ricardo Koiti Koshimizu

A proposta que cria um piso salarial nacional para os vigilantes passou por mais uma etapa no Senado: foi aprovada no dia 24/04/2012, pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) com modificações que incluem o escalonamento do piso conforme o grau de responsabilidade e risco. O próximo passo na tramitação da matéria será o seu exame pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

Esse projeto de lei (PLS 135/10), no entanto, não foi aprovado por unanimidade na CAE. O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) criticou a iniciativa, argumentando que “mais uma vez estaremos criando despesas para estados, municípios e a própria União a partir de decisões do Congresso”. O projeto foi apresentado pelo senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), hoje ministro da Pesca.

O relator da matéria foi o senador José Pimentel (PT-CE). De acordo com o seu relatório, o piso salarial dos vigilantes seria dividido em três faixas, segundo o grau de responsabilidade e risco. Para o grau mínimo, o piso seria de R$ 800; para o grau médio, R$ 950; e para o grau máximo, R$ 1,1 mil. Esse escalonamento havia sido sugerido em relatório anterior do senador Paulo Bauer (PSDB-SC).

José Pimentel afirma em seu relatório que, devido às dificuldades governamentais no combate à violência, principalmente nos grandes centros, os vigilantes empregados por empresas privadas passaram a exercer “um papel relevante no aparato de segurança do país, sendo eles, muitas vezes, que correm os maiores riscos e ficam na linha de frente na prevenção de eventos criminais”.

Por outro lado, Aloysio Nunes questionou o impacto da medida sobre as contas públicas, já que também há vigilantes contratados pelo governo.

Como aprovar um piso nacional unificado sem ter uma estimativa de custo, sem levar em conta as diferentes capacidades financeiras de municípios e estados? – questionou Aloysio Nunes.

Agência Senado.

quinta-feira, 22 de março de 2012

GREVE DOS VIGILANTES DO RIO TERMINA COM REAJUSTE DE 7%

Nenhum comentário:


 Mesmo com reajuste inferior ao que reivindicava, categoria aceita proposta do TRT/RJ; e decide encerra a greve que durou 10 dias, fechando mais de 600 agências bancárias em todo o Estado.

As principais reivindicações eram o reajuste salarial de 10%, acima da inflação, além do reajuste do ticket de refeição de R$8,85 para R$ 16,50, os 30% do risco de vida, que hoje é de apenas 8% e assistência médica para os vigilantes e os dependentes.

Os vigilantes do Rio de Janeiro decidiram aceitar a proposta do TRT/RJ de 7% de reajuste sobre o salário e tíquete refeição, representando um aumento real de 1,32% acima da inflação, além da manutenção do escalonamento do risco de vida até 2015 e a promessa do sindicato Patronal de não descontar os dias parados, não punir e nem demitir os trabalhadores que aderiram à greve. 

Com a decisão, o piso subiu de R$ 864 para R$ 924,48 e o tíquete refeição que era de R$8,85 passou para R$ 9,46. 

O salário base do vigilante passou para R$ 1.053 com os 6% do adicional de periculosidade, em todo estado.

terça-feira, 20 de março de 2012

PLR Vigilantes do Estado de São Paulo 2012

25 comentários:
PLR para Vigilantes do Estado de São Paulo deverá ser paga ate o dia 31/03/2012

 A PLR dos Vigilantes do Estado de São Paulo, foi um direito adquirido em 01 de Junho de 2009, e entre os vários temas firmados na norma coletiva, foi estabelecido que o período de apuração do pagamento seria anual, iniciando se em 01/10/2009 até 30/09/2010, e assim sucessivamente, fechando um ciclo de 12 meses, o pagamento deverá ser realizado pelas empresas até o último dia do mês de Março subseqüente ao período de apuração, tendo como base para o cálculo o Piso Salarial do Vigilante vigente no último mês de apuração do período ou seja R$ 1.024,03 para o ano de 2012. 

 O valor da PLR será de 25% do piso Salarial do Vigilante Vigente no último mês de apuração do período de 12 meses, ou seja, R$ 256,00. 

O presente acordo aplica-se a todos os Empregados das Empresas Aderentes, Exceto aos Empregados que ocupam cargos de direção, gerência e empregados estagiários e temporários.

Greve dos Vigilantes do Rio de Janeiro

3 comentários:
ASSEMBLÉIA DECIDE PELA CONTINUAÇÃO DA GREVE ATÉ HOJE.

Assembléia de vigilantes realizada ontem pela manhã decidiu que a categoria continua em greve até hoje (terça), às 14h, quando haverá uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho do Rio (TRT/RJ), por conseqüência do pedido de dissídio coletivo feito pelo Sindicato das Empresas de Segurança. Se houver acordo a greve termina e os bancos em todo estado voltam a funcionar normalmente. Os 50 mil vigilantes do Rio querem 10% de reajuste salarial, R$16,50 no tíquete-refeição, pagamento dos 22% restantes do risco de vida e plano de saúde pago pelas empresas a titulares e dependentes. O sindicato patronal ofereceu somente a reposição da inflação.

De Norte a Sul do estado cresce o número de pessoas que procuram as casas lotéricas para pagar suas contas devido ao fechamento de mais de 600 agências bancárias. Em Nova Iguaçu os 38 bancos da cidade estão fechados e três bancos foram interditados no Centro pela Polícia Federal porque insistiam em funcionar com apenas um vigilante, o que é proibido por lei. Em Macaé agências que estavam funcionando com um agente também foram obrigadas a fechar sob pena de serem multadas.

Já no Sul Fluminense, que compreende 17 municípios, todos os bancos estão fechados porque não há vigilantes para fazer a segurança de clientes e funcionários. No Rio, a maioria dos bancos que insistem em funcionar com apenas um vigilante ainda não foi fiscalizada pela PF conforme determina portaria do Ministério da Justiça, baseada na Lei Federal 7.102/83.

Os 15 sindicatos de vigilantes se reuniram ontem (19) com a Federação da categoria para decidir as estratégias do movimento grevista para os próximos dias.


Fonte: SINDVIGRIO.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Portas Giratórias começam a ser retiradas das agências Bancarias...

Um comentário:



A decisão de alguns bancos de retirarem as portas giratórias das agências é considerada um retrocesso na questão da segurança dos bancários, clientes e segurança das instituições, segundo o Sindicato dos Bancários de São Paulo.

A porta giratória é um item que complementa a segurança, e é necessária para a segurança das pessoas que freqüentam os bancos, muitas pessoas se dizem humilhadas ou constrangidas por serem barradas nas portas giratórias, e isso tem gerado inúmeras indenizações por danos morais as instituições financeiras... Será mesmo uma humilhação? ou alguns espertinhos acharam um jeito muito fácil de ganhar dinheiro alegando que estão sendo humilhados ou constrangidos,  E se estas pessoas começassem a pensar não só em si mesma e sim no bem estar e segurança de todos que precisão freqüentar os bancos, e começassem a se conscientizar que se não portarem metal a porta não trava, e se portarem que utilizem os armários que muitas agências disponibilizam para que os clientes possam guardar seus pertences e não serem barrados ao passar pela porta.